14-11-2019

T Turismo | News

Turismo em Lisboa segundo Fernando Medina

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

(A partir de entrevista a Fernando Medina na TVI, Janeiro 2019 ). 

ATÉ ONDE PODE LISBOA CRESCER EM TURISMO SEM PERDER IDENTIDADE ?

Com o fenómeno do Turismo de massas, que levou à descoberta de Lisboa num processo de globalização galopante, muito se tem ouvido sobre a perda de identidade da cidade e sobre o afastamento de quem lá vive. No entanto, como afirma o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, "Lisboa não pode nem irá fechar a porta ao Turismo".


 

O Turismo tem sido o grande motor económico do país e das grandes cidades, tendo sido fundamental para alavancar a saída de Portugal da crise económica e financeira, que se fez abater sobre o país nos últimos anos.

Pegamos em frases da entrevista:

"O Turismo representa em volume de vendas cerca de 10 mil milhões de euros", o equivalente a "quatro vezes a Autoeuropa e sete vezes a indústria do calçado nacional".

Por isso, a questão é "a sustentabilidade que o Turismo traz e que é central para o futuro", seja de Lisboa seja de qualquer outra cidade. E Fernando Medina coloca como grande solução para responder a este desafio a coexistência equilibrada de três factores. Primeiro, "sustentabilidade económica", já que Lisboa "não pode dispensar" o Turismo. O segundo é a "sustentabilidade da qualidade de vida". E o último é a "sustentabilidade social", de forma a "assegurar que estes efeitos são compatíveis com os residentes".

Para isso, a autarquia define uma política, que passa pelo investimento nas infra-estruturas, em novos pólos de atracção, nos transportes públicos e na higiene urbana. Reagir ao aumento do número de carros, ou de lixo, por exemplo. 

Fernando Medina desfaz ainda a ideia que Lisboa tem perdido habitantes devido ao Turismo, afirmando que, nas últimas três décadas, em que a capital tem perdido residentes, foi precisamente na última em que esse número foi menor.

Do total do parque imobiliário de Lisboa "Menos de 3% são Alojamentos Locais"!

Para isso, explica que o que tem afastado os lisboetas da cidade é a "bolha imobiliária", que surgiu devido às baixas taxas de juros, e que tem afastado "a classe média do centro" de Lisboa. Para responder a essa necessidade, a autarquia já "pressionou o Governo" para actuar e dinamizar o mercado de arrendamento, assim como investiu na "oferta pública de casas para essa mesma classe média".

Fernando Medina afirma que a Câmara Municipal de Lisboa olha nos olhos o desafio do Turismo e acredita ter tudo para o vencer, de forma sustentada e integrada. Realça que esse é "um desafio de todos", incluindo os próprios agentes turísticos.

 

O link para a entrevista em TVI Player:  https://tviplayer.iol.pt/video/5c3cfe2e0cf2a84eaefbb6ac

 

zibilocal 2