17-09-2019

Lisboa

  • Não, não são os gestores e proprietários de Alojamento Local que estão paranoicos. E também não é nenhuma teoria da conspiração, mas algo profundo e de bastidores está a “escorrer” pelas paredes do setor do turismo em Alojamento Local, sem aparentemente se perceber de onde vem a “humidade” e os fungos associados! 

    Mas basta estar mais atento e aos poucos se percebe. 


    Claramente que a “humidade” não vem dos micro empresários do AL, legais, que pagam os seus impostos. Esses querem só que os deixem trabalhar, pagando os impostos justos sobre o que ganham. E aos gestores de AL, já chega a normal volatilidade do mercado em que trabalham, não precisam de entraves e de areia na engrenagem a vir de onde nunca deveria vir.

    Esses micro empresários do Alojamento Local, querem que lhes seja reconhecido a ENORME contribuição para os resultados brilhantes do turismo e para as receitas do fisco e para a economia em geral. Milhares de empresários MICRO, a contribuir para resultados MACRO.

    Esses só querem assim ter os mesmos direitos e deveres que qualquer outro profissional ou empresário tem, hotelaria incluída e na adequada proporção dos investimentos e riscos.

    Esses NÃO querem ser marionetas, manipuladas por lobbies escondidos com o rabo de fora, nos corredores da política, dos partidos e muito menos nos corredores do parlamento. 

    Esses NÃO querem ser afastados POR DECRETO e impedidos POR DECRETO de exercer uma profissão legítima. 

    Esses não são estúpidos e sabem por experiência própria que trabalhar bem dá resultados e assusta muita gente!

    Esses não são cobardes, arregaçam as mangas, trabalham e pagam impostos SIM ! Cobarde é quem em total desespero, a cada 6 meses, quer mudar regras do jogo, porque não sabe ou não quer jogar limpo!

     

     António Santoszibilocal 2

     

     

     

     

  • A taxa turística está na ordem do dia, não só em Portugal obviamente e vamos olhar com mais detalhe para Espanha, é um assunto em que autoridades e representantes do setor turístico de algumas cidades, têm debatido por vários anos, sem consenso. Este imposto / taxa, não é um imposto fixo generalizado, é aplicado de diferentes maneiras em diferentes países e em Espanha é sujeito a debate mesmo nacional.


    A intenção de aplicação deste imposto / taxa tem vindo a crescer nas cidades que são destinos turísticos de maior preferência do turista. Embora seja uma taxa  aplicável aos turistas e procura melhorar a promoção e desenvolvimento do turismo, não foge à controvérsia e deve-se muito por dúvidas relativas a como e onde vão ser usadas as verbas e até no que respeita ao conceito. Em Portugal sabemos como está ser visto e usado de formas que também não geram consenso.  

    Em Espanha, até agora, é cobrado nas Ilhas Baleares e na Catalunha.

    Na Catalunha, é aplicado em hotéis, casas rurais, pousadas, parques de campismo, quartos, apartamentos e cruzeiros nas seguintes condições:

    • O valor é pago por pessoa e por dia, de acordo com a categoria de alojamento e sua localização.
    • Crianças menores de 16 anos não pagam taxas.
    • O pagamento é limitado se a estadia durar mais de uma semana.

    Ilhas Baleares, este imposto turístico é chamado "Ecotasa". É aplicado sob as seguintes condições:

    • Para turistas e moradores que ficam em hotéis, apartamentos turísticos, pousadas e cruzeiros.
    • Aplica-se por pessoa por dia e categoria de alojamento.
    • A taxa tem um desconto de época baixa.

    Controvérsias e argumentos na implementação da taxa turística em Madrid.

    O tema do imposto turístico em Madrid tem sido debatido várias vezes e por diferentes intervenientes. Em 2016, o Alcaide de Madrid à época, tentou criar a taxa turística, com o objetivo de promover o turismo na capital. Mas no dia seguinte ele recebeu tantas críticas que retirou o seu projeto.

    Hilario Alfaro, em nome de “Madrid Foro Empresarial”, apresentou o seu ponto de vista e reivindicação, solicitando a sua implementação em Madrid. Para Alfaro, a taxa é fundamental "desde que tenha um caráter finalista". Que funcione como financiamento de uma atividade especifica e definida e seria assumido pelos turistas e Carlos Diez de la Lastra (CEO e Director de Estratégia e Estudos de Planeamento do CaixaBank) é também a favor do facto de o "objectivo finalista" do imposto turístico ser positivo.

    Projetos para implementar o imposto turístico em outras cidades da Espanha

    San Sebastián. O seu governo considera cobrar a taxa turística para os turistas, por permanecerem na cidade.
    O plano já foi apresentado e espera-se que, uma vez aprovada, será possível arrecadar mais de 2.000.000 euros.
    As receitas serão destinadas a desenvolver um turismo equilibrado, sustentável e de qualidade.

    Sevilha. As primeiras conversas estão a ser realizadas, promovidas pelo Congresso de Sevilha e pelo Convention Bureau.
    Esta associação, constituída por instituições e empresas, propõe-se seguir os modelos das Ilhas Baleares e da Catalunha.
    Está a ser elaborado o projeto para conseguir a aprovação do imposto turístico.

     

    Prós e contras, saído das discussões públicas.

    É positivo, desde que os valores arrecadados sejam bem administrados. Isso permite obter recursos para melhorar os serviços turísticos.

    Fortalece as atividades do setor do turismo nas regiões.

    Afeta negativamente o orçamento do turista, pois torna-se um pagamento adicional por pessoa e por dia, que pesa fortemente nos gastos totais de uma viagem.

    A imagem abaixo é de um artigo de Intermundial.es, que compara as taxas turísticas em diferentes cidades Europeias, incluindo Lisboa e Porto ( ainda com os dados de 2018 ) e cidades fora da Europa. 

    La tasa turistica en los hoteles de EuropaCaminhamos para algo irreversivel e útil, ou vamos ver maus aproveitamentos de tanto dinheiro, a ter resultados contrários ao que é suposto, levando à limitação absurda do turismo, em contrapartida da sustentabilidade? 

    Sustentabilidade no turismo precisa-se e muito, mas estarão as autoridades conscientes da responsabilidade que têm em partilhar ao detalhe, com os turistas e cidadãos nacionais, como e onde as verbas são aplicadas?   

     

    zibilocal 2

     

     

    Fontes:  Hosteltur (2017). Gestión eficiente de los destinos, el arma frente a la turismofobia. https://www.hosteltur.com. Consultado el 05/02/2019. Intermundial (2018). La tasa turística a través de 5 preguntas. https://www.intermundial.es/blog/la-tasa-turistica-a-traves-de-5-preguntas/ Consultado el 05/02/2019. Vacaciones en España (2017). Actualizado el 02/08/2019. Tasa turísticas en las ciudades españolas ¿una tendencia en alza? http://www.vacaciones-espana.es/rentalbuzz/tasa-turistica-en-las-ciudades- espanolas-una-tendencia-en-alza. Consultado el 05/02/19.

     

     

  • A partir da notícia a propósito do processo colocado à AirBnb por parte das autoridades de Paris, fizemos uma leitura geral por algumas publicações Francesas para ver o panorama e encontrámos algumas semelhanças sobre o AL e o anti AL em Paris como em Lisboa. Paris entra na justiça contra Airbnb exigindo uma multa de 12,5 milhões de euros pelas 1.000 propriedades turísticas ilegais registadas no site.

    Pelo menos aqui faz-se alguma coisa para combater os ilegais, mas será que se pode pegar em 1000 ilegais e usar logo como ataque ao AL LEGAL?

    Infelizmente é isso que é possível ler em algumas publicações Francesas.


    Paris tornou-se num dos primeiros mercados das plataformas de aluguer de curta duração com 65000 propriedades ativas. À semelhança de outras capitais europeias e metrópoles mundiais confrontadas com a explosão do aluguer de imóveis turísticos de curta duração, Paris esforça-se para regularizar este mercado.

    Anne Hidalgo, a presidente de Camara de Paris estima que pelo menos 20 000 imóveis são alugados por investidores que os transformam ilegalmente em imóveis turísticos muito mais rentáveis que os alugueres tradicionais. Ao Journal du Dimanche declarou que o “problema são aqueles que possuem várias propriedades que alugam apartamentos durante todo o ano para os turistas sem declará-los, e as plataformas on-line, que são cúmplices, as recebem”.

    Também se lêm em alguns meios franceses: O turismo local tem efeitos devastador, Paris enfrenta agora a penúria de habitações e o aumento dos alugueres. Atualmente a classe media já não consegue morar na capital e e obrigada a distanciar-se. Segundo um estudo da Insee publicado em 2017 e citado pelo journal Le Parisien, a capital perdeu perto de 40 000 habitantes em 5 anos, passando de 2,27 milhões em 2010 a 2,23 em 2015.

    Ian Brossat, o secretário da Habitação de Paris e autor do livro “Airbnb ou la ville ubenisee”, afirma e citamos "temos de proibir o turismo local no centro de Paris". Acrescenta ainda que "devemos proibir não só o aluguer sazonal mas também as residências secundárias nos 4 distritos no centro de Paris".

    Legislação para proprietários e plataformas

    Os donos dos imóveis ja podiam ser punidos por lei. A lei de ALUR de 2014, prevê que sò as residências principais é que podem ser alugadas nas plataformas, com um limite de 120 dormidas por ano. Uma residência é qualificada como principal se o seu proprietário a ocupar pelo menos 8 meses por ano.

    Onde já ouvimos isto ou parecido com isto em Portugal ????

    Tão ou mais devastador que o AL legal é a falta de bom senso e equilíbrio. 

    O que a realidade mostra é como estas leis ( como a francesa ALUR 2014 ) se revelam fora da realidade do mundo, dos consumidores, dos proprietários. Estamos em 2019 e 5 anos depois nem lá como cá os turistas deixam de querer ficar em AL.

    Não foi uma moda descoberta em 2014, em França e Portugal. O conceito de Alojamento Local, o turismo em casas privadas é inquestionável e portanto o caminho só pode ser o do equilíbrio e do turismo sustentável e nunca de leis suportadas na proibição pura e simples por razões que sabemos serem numa base  ideológica desfasada do mundo do séc. XXI. 

    Dois países em que no mesmo ano de 2014 se legislou de formas diferentes, para um mesmo mercado que na verdade é GLOBAL. Em 2014 fomos inovadores tal como referiamos em Fevereiro de 2018 neste artigo AL...Europa...Portugal e há quem queira voltar atrás.

      

    zibilocal 2 

     Fontes:

    http://www.leparisien.fr/paris-75/paris-se-vide-de-ses-habitants-les-annonces-chocs-de-ian-brossat-07-09-2018-7879926.php

    https://luckey.fr/astuces/reglementation-location-saisonniere

    https://www.thetravel.com/paris-takes-airbnb-to-court-for-14-2-million-over-illegal-listings/

    https://www.bbc.com/news/technology-47198746

    https://phys.org/news/2019-02-hotel-groups-hail-offensive-airbnb.html

    https://www.thelocal.fr/20190211/paris-mayor-declares-new-war-on-airbnb

    https://g1.globo.com/mundo/noticia/2019/02/10/paris-entra-na-justica-contra-airbnb-e-pede-multa-de-125-milhoes-de-euros.ghtml

     

     

    .  

  • Num estudo encomendado pela Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) ao ISCTE, ficou-se a saber que o impacto do Alojamento Local (AL) na Área Metropolitana de Lisboa (AML), em 2016, foi de 1,6 mil milhões de euros.


    Mas foram mais abrangentes os números divulgados pela AHRESP, nomeadamente em matéria de pessoas empregadas no AL, que são 5.700 de forma direta e 13.400 de forma indireta.

    Relativamente a percentagens do peso do AL no turismo da AML, os valores correspondem a 18,3%, o que representa 1% do PIB desta região.

    Ficou-se também a saber que o aumento de unidades de AL abertas foi de 95% em 2016, com 4.346 novos registos. 

    Como nota adicional, o ZiBilocal avança com os números de registos de AL a nível nacional, à data de 20 de Setembro: 52.187, sendo 9.794 respeitantes ao concelho de Lisboa.

  •  

    sábado

    • Entra em vigor o novo regulamento aprovado pela autarquia de Óbidos que força todos os hóspedes com idade superior a 13 anos que pernoitem em qualquer alojamento turístico do concelho a pagarem uma taxa de dormida de 1 euro;
    • Artigo de opinião sobre o novo diploma que regula o Alojamento Local no que diz respeito ao “seguro fantasma”;

    2ª feira

    • É notíciaque Tomar é a cidade portuguesa com maior crescimento na procura por parte de viajantes portugueses através da plataforma Airbnb;


    3ª feira

    • Uma históriade mudança radical de vida: de um emprego numa multinacional para o sossego da Peneda-Gerês, com a criação de um negócio de Turismo Rural;


    4ª feira

    • O vice-presidente do Governo Regional da Madeira, Pedro Calado, defendeuque o Alojamento Local contribui para a expansão da economia regional;
    • O DN noticiouque a Câmara de Lisboa rejeitou 27 registos de Alojamento Local nos bairros históricos desde que entraram em vigor as restrições impostas a 9 de novembro;
    • Manuel Salgado, vereador da Câmara de Lisboa com o pelouro do urbanismo, anunciaque vai haver um reforço das equipas de fiscalização do Alojamento Local;


    5ª feira

  •  

    domingo

    • Um artigoque recolhe a reação das associações ligadas ao sector do Alojamento Local à suspensão de novos registos em algumas freguesias de Lisboa;

     

    2ª feira

    • Em entrevistaao Dinheiro Vivo, o presidente da Associação da Hotelaria de Portugal vem defender a certificação por parte do Alojamento Local;
    • O Jornal Económico avançaque a taxa turística em Lisboa vai render 36,5 milhões de euros;


    3ª feira

    • É anunciadoum seminário onde vão ser debatidas as alterações o Regime Jurídico de Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local, a ter lugar no dia 30 de Outubro, numa organização da Associação Empresarial da Região do Algarve;
    • O Jornal i refereque o Alojamento Local tem contrariado o decréscimo do número de dormidas por parte de turistas estrangeiros neste Verão, com o Airbnb a registar 1,4 milhões de hóspedes em Portugal este verão, uma subida de 18%;


    5ª feira

    • Sobre o orçamento de estado de 2019, o Expresso vem detalharo que está previsto relativamente às mais-valias dos prédios afetos ao Alojamento Local;


    6ª feira

    • Eduardo Miranda, presidente da Associação do Alojamento Local em Portugal, vem defenderque “Proibir o Alojamento Local em certas zonas de Lisboa não é a solução”;
    • A Câmara de Lisboa vem admitir mais restrições ao Alojamento Local, nomeadamente a possibilidade de distinguir o uso habitacional e o uso de turismo;
    • É notíciaque o Alojamento Local aumentou cinco vezes em apenas quatro anos.
  •  

    sábado

    • Miguel Santo Amaro, cofundador da Uniplaces, plataforma de para arrendamento de alojamento para estudantes, vem defenderque o Alojamento Local seja limitado a 60 dias por ano, para rentabilizar os imóveis;

     

    domingo

    • Em entrevista ao Dinheiro Vivo o Presidente da Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa, Vítor Costa, disse que “Nova lei do alojamento local não tem condições para ser cumprida”;


    2ª feira

    • O Jornal de Negócios, mostra um mapa onde se pode ver a distribuição de alojamentos locais por freguesia, em Lisboa;
    • O Jornal Económico refere que o “Turismo na Madeira cai nas dormidas mas sobe nos proveitos”, citando números divulgados pela Direção Regional de Estatística, que diz que as dormidas em regime de Alojamento Local na região tiveram uma subida de 13,1%, um sector que já representa 14,8%;
    • Um artigoque fala da isenção relativa a contribuições pagas por trabalhadores independentes que aufiram rendimentos exclusivamente provenientes do Alojamento Local;


    3ª feira


    4ª feira

    • Dos Açores chega a notícia de que as unidades de Alojamento Local vão beneficiar de soluções tecnológicas de gestão graças a um protocolo celebrado entre a Altice Portugal e a Associação do Alojamento Local dos Açores;


    5ª feira

    • Leia as “Seis dicas para ter um alojamento local de sucesso” sugeridas pelo Jornal Económico;
    • É notíciaque o Airbnb se comprometeu a proceder, até ao final do ano, às alterações reclamadas pela Comissão Europeia no sentido de cumprir as regras relativas à defesa do consumidor;


    6ª feira

    • O Presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, diz que não alinha no “discurso populista” que tem vindo a acontecer a propósito do Alojamento Local, defendendo que se há zonas que é necessária contenção, outras há onde deve haver expansão.
  •  

    sábado

    • A Associação do Alojamento Local em Portugal (ALEP) pediuao Presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, que clarificasse as regras relativamente ao Alojamento Local na capital;
    • O jornal Público faz um apanhado fotográfico do que o turismo tem feito a Lisboa e ao Porto nos últimos anos;
    • Contrariando a tendência de algumas freguesias das maiores cidades do país, os autarcas de diversas câmaras do Algarve e de Aveiro veem o Alojamento Local como um benefício para as respetivas regiões, mostrando mesmo o desejo de que haja um aumento da quantidade de estabelecimentos registados;

     

    2ª feira

    • Foi notíciaque a antiga residência oficial do Presidente da Câmara de Lisboa, que fica em Monsanto, está disponível para Alojamento Local. Medina desvaloriza;
    • Apresentados os mapas com as zonas de Lisboa onde vai ser proibido registar novos Alojamentos Locais;


    3ª feira

    • O Presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, diz que não vai restringir o Alojamento Local como em Lisboa;


    4ª feira

    • A Inspeção Geral do Turismo anunciouter identificado, desde o início do ano, 205 unidades de Alojamento Local a operar ilegalmente nos Açores.
  • O resumo da semana do Alojamento Local em Portugal (e não só) nas mais diversas publicações online. Para quem não tem tempo, mas quer manter-se atualizado sobre o tema.


    domingo

    • A Associação do Alojamento Local em Portugal (ALEP) divulgou números que dizem que o alojamento local registou um abrandamento no crescimento de número de registos, no primeiro trimestre, face ao ano anterior;
    • As novas regras do alojamento local não trouxeram mudanças relevantes na relação com os condomínios, segundo o diretor da empresa Loja do Condomínio, que aministra 6.800 condomínios em Portugal;
    • Ainda sobre as novas regras, duas perspetivas contráriassobre o seu impacto: a da Associação dos Inquilinos Lisbonenses e a da Associação Lisbonense de Proprietários;

     

    segunda-feira

    • Desde que a nova lei sobre alojamento local entrou em vigor, foram canceladosquase dois mil registos de alojamento local;


    terça-feira

    • Os números mais detalhados da quebra de novos registos de alojamento local no primeiro trimestre do ano, em Lisboa, por freguesia;


    sexta-feira

  • O resumo da semana do Alojamento Local em Portugal (e não só) nas mais diversas publicações online. Para quem não tem tempo, mas quer manter-se atualizado sobre o tema.

     

    domingo

    • Estão abertas as candidaturas para os Prémios de Turismo do Alentejo e os de Turismo do Ribatejo, que terão categorias como “Melhor Turismo Rural” ou “Melhor Alojamento Local”;

    segunda-feira

    • É notíciaque quase 20% da riqueza gerada na região de Lisboa vem do turismo, sendo o aumento do Alojamento Local uma das principais razões para estes números;
    • Ainda a propósito destes números, José Luís Arnault, presidente-adjunto da Associação do Turismo de Lisboa, afirmou que o Alojamento Local não veio “canibalizar” o sector hoteleiro;
    • A Câmara de Braga decidiu avançar com a criação da taxa turística, com o valor de 1,5 euros;
    • A propósito da taxa turística, Eduardo Miranda, presidente da Associação do Alojamento Local em Portugal, defende que esta deveria ser “progressiva e diferenciadora”;


    terça-feira

    • O Expresso noticiaque os números de quartos disponíveis em regime de Alojamento Local ultrapassaram os dos hotéis em Lisboa;
    • Sintra também adere à taxa turística, que a partir de 1 de Março passará a ser cobrada. O valor é de 1 euro;
    • Um estudo da plataforma HomeAway diz que Peniche é onde as casas de férias são mais baratas em Portugal;


    sexta-feira

    • Trabalhosobre a reabilitação feliz de um edifício em Coimbra que se destina a Alojamento Local.
  • O resumo da semana do Alojamento Local em Portugal (e não só) nas mais diversas publicações online. Para quem não tem tempo, mas quer manter-se atualizado sobre o tema.


    sábado

    • Segunda parte de um trabalhoque aborda a fiscalidade no Alojamento Local; 

    segunda-feira

    • Noticiao JN que Lisboa já tem mais alojamentos locais que Barcelona;
    • A propósito da atribuição dos prémios Miosótis, que distinguem os melhores alojamentos turísticos dos Açores, a secretária regional da Energia, Ambiente e Turismo destacou o “contributo importantíssimo” do Alojamento Local no crescimento das dormidas no Corvo;


    terça-feira

  • O resumo da semana do Alojamento Local em Portugal (e não só) nas mais diversas publicações online. Para quem não tem tempo, mas quer manter-se atualizado sobre o tema.


    sábado

    • As restrições impostas ao alojamento local em Lisboa não fizeram diminuir a procura de imóveis para compra;

     

    domingo

    • Em Guimarães começa a haver uma mudança de estratégia por parte de alguns investidores que começaram por apostar no alojamento local, mas viraram-se agora para a habitação;

     


    segunda-feira

    • O alojamento local também entrou na campanha eleitoral em Espanha. Conheçao que o PSOE, vencedor das eleições, prometeu em relação ao tema;
    • É notíciaque a antiga sede da STCP, no Porto, foi reabilitada para alojamento local de luxo;

     


    quarta-feira

    • Conheçaas 10 profissões ligadas ao turismo com emprego próximo dos 100%;

     


    quinta-feira

    • Saiba quais são as zonas mais rentáveis, em Lisboa e Porto, para investir num alojamento local;
    • Em Cascais, a taxa turística passou para o dobro, começando a ser cobrados 2€ por noite;
    • Conheçaa nova tendência de aluguer de apartamentos para jantares de grupo.
  •  

    2ª feira

    • O Jornal de Notícias anuncia um abrandamento no crescimento de unidades de Alojamento Local no Porto, que em 2018 foi de 66%, em comparação com o crescimento de 106% em 2017;

    3ª feira


    4ª feira

    • Artigono Dinheiro Vivo que diz que “Comissões pagas às plataformas de AL também abatem no IRS”;


    6ª feira

    • A Câmara Municipal de Lisboa, até 15 de Janeiro, vai receber contribuições dos lisboetas que queiram opinar ou fazer sugestões para o Regulamento Municipal de Alojamento Local, a ser apresentado até ao fim do primeiro trimestre de 2019;
    • É notíciaque a Lei de Bases apresentada pelo PS na Assembleia da República, condiciona o Alojamento Local em prédios de habitação.
  •  

    sábado

    • É notíciano Diário de Notícias que a Baixa de Setúbal ganhou nova vida graças ao turismo e o Alojamento Local, com 195 novos registos deste setembro do ano passado, deu o seu contributo;
    • Também a Presidente da Câmara de Setúbal, Dores Meira, confirma essa mesma realidade, destacando o papel do Alojamento Local na reabilitação de edifícios

     

    domingo

    • Numa reportagemdo Dinheiro Vivo, destaca-se que mais de 80% das casas em Alojamento Local são segundas habitações;


    3ª feira

    • A publicação online O Corvo noticiaque estão a aumentar os furtos em apartamentos de Alojamento Local no centro histórico de Lisboa;
    • A cadeia de hotéis Marriott anunciaque Lisboa irá receber o seu projeto-piloto de Alojamento Local, que se estreou com sucesso em Londres;
    • José Roquette, administrador do Grupo Pestana, declarouque as novas regras para o Alojamento Local não são suficientes, considerando que Portugal era o país mais permissivo em relação ao sector;


    4ª feira

    • É anunciadoque a Universidade Europeia irá organizar um debate com o tema “Alojamento Local / Hotelaria – Que Futuro?”, a ter lugar no próximo 10 de outubro, no Porto;


    6ª feira

  •  

    sábado

    • Notíciasobre a oferta de alojamento durante a Web Summit, onde são discriminados os valores praticados tanto na hotelaria como no Alojamento Local; 

    2ª feira

    • É notíciaque a seguradora Mapfre e a AHRESP fizeram uma parceria para o Alojamento Local;


    3ª feira


    4ª feira

    • Em semana de Web Summit, a TSF faz uma reportagemsobre a maior plataforma portuguesa de Alojamento Local, que quer conquistar a Europa;


    5ª feira

    • É notíciaque o Alojamento Local assegura 52,4% das dormidas na baixa lisboeta;


    6ª feira

  • O resumo da semana do Alojamento Local em Portugal (e não só) nas mais diversas publicações online. Para quem não tem tempo, mas quer manter-se atualizado sobre o tema.


    segunda-feira

    • Sobre a entrega do IRS, artigoque aborda as deduções das comissões pagas às plataformas de reserva;
    • Artigo de opinião que aborda as novas regras do alojamento local na perspetiva imobiliária;

     

    terça-feira

    • É apresentado o resultado de um estudosobre alojamento local no Porto;
    • Na sequência da apresentação do estudo, Rui Moreira mostra-se disposto a limitar o alojamento local no centro do Porto;

     


    quarta-feira

    • É reveladoque os novos registos de alojamento local no Porto, no primeiro trimestre do ano, cairam 40% face ao mesmo período do ano anterior;

     


    quinta-feira

    • A Câmara de Lisboa fechou o hostel aberto no edifício do antigo Clube dos Empresários, por falta de autorização para as obras realizadas;
    • O novo serviço para denúncia de alojamentos locais ilegais, criado pela junta de Santa Maria Maior, em Lisboa, já identificou"uma dúzia" de casos de potencial infração;
    • Foi aprovadopela Câmara de Lisboa o Regulamento Municipal de Alojamento Local que estabelece áreas de contenção para novos registos.
  •  

    sábado

    • A vereadora da Habitação e Desenvolvimento Local, Paula Marques, anunciouque já este mês a Câmara Municipal de Lisboa vai apresentar uma proposta de contenção para limitar a abertura de novos Alojamentos Locais;
    • O jornal Público mostracomo o Alojamento Local se está a implantar em freguesias periféricas de Lisboa e Porto, onde o turismo, até há pouco tempo, não se fazia notar;

     

    2ª feira

    • A propósito da apresentação do Orçamento de Estado para 2019, a Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) propôs ao Governo que introduza medidas de desagravamento fiscalpara os empresários de Alojamento Local;


    5ª feira

    • No âmbito do debate “Alojamento Local/Hotelaria – Que futuro?”, os hoteleiros vieram dizer que não veem no Alojamento Local uma ameaça, defendendo que é um produto que responde à procura turística;
    • É notíciaque a Câmara Municipal de Lisboa vai suspender registos de Alojamento Local em cinco bairros da cidade;


    6ª feira

    • É conhecida a reaçãoda Associação do Alojamento Local em Portugal e da Associação Lisbonense de Proprietários ao anúncio da suspensão de novos registos;
    • A Câmara Municipal de Lisboa vem justificar a sua decisãocom o facto de mais de 25% das casas dos bairros em causa estarem disponíveis para Alojamento Local;
    • É notíciaque a Câmara Municipal de Lisboa vai aumentar a Taxa Municipal Turística em 2019, de 1 para 2 euros por noite para reforçar a limpeza urbana e os transportes nas zonas onde há mais turismo.
  • O resumo da semana do Alojamento Local em Portugal (e não só) nas mais diversas publicações online. Para quem não tem tempo, mas quer manter-se atualizado sobre o tema.


    sábado

    • Artigoda revista Sábado (disponível na íntegra para assinantes) que aborda a reconversão de antigas lojas em casas, a maioria das quais para alojamento local;
    • Até entrada do novo regulamento para alojamento local, a Câmara de Lisboa prolonga a suspensão de novos alojamentos locais;
    • Também em Lisboa, as freguesias da Graça e da Colina de Santana irão passar a ter restrições no alojamento local;
    • A Associação de Turismo de Lisboa divulgoudados de um estudo que concluiu que o turismo na região de Lisboa gerou mais de 13,7 mil milhões de euros de receitas em 2017; 

    segunda-feira

    • A Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, em Lisboa, criou uma linha telefónica para denunciar alojamentos locais ilegais;
    • Com vista a evitar as burlas, a Deco dá conselhos para quem vai arrendar casa para as férias;


    terça-feira


    quarta-feira

    • É notíciaque a GuestReady adquiriu a BnbLord, tornando-se a maior empresa de gestão de alojamento local na Europa;


    sexta-feira

    • A Câmara Municipal de Lisboa avançaque os novos alojamentos locais em áreas de contenção irão ter licença com validade de cinco anos;
    • Nos Açores, no I Encontro Regional de Turismo, o Alojamento Local é referido como uma fonte de rendimento direto para as famílias açorianas, com receitas próximas de 15 milhões de euros em 2018.
  •  

    sábado

    • Reportagemsobre uma aldeia, em São Pedro do Sul, onde o Alojamento Local é bem-vindo;

    2ª feira


    3ª feira

    • A aproximar-se o final do ano, a plataforma Airbnb anunciou aqueles que são os melhores destinos de 2019, uma lista feita com base nos comentários e desejos dos utilizadores mais assíduos da plataforma ;


    4ª feira

    • Dia marcado pelo debate no Parlamento sobre as alterações à lei do Alojamento Local;
    • Artigoque aborda o novo regime dos trabalhadores independentes em matéria de isenção para a segurança social e que pode interessar a quem é proprietário de Alojamento Local;


    5ª feira

    • É notíciaa aquisição de uma empresa portuense de gestão de mais de 50 unidades de Alojamento Local pela empresa britânica Guest Ready;
  • Fica na Rua de São Bento, em Lisboa, e foi morada de Fernando Pessoa, quando o poeta regressou a Portugal, com 17 anos, e foi para lá morar com a tia. É hoje um moderno apartamento adaptado ao Alojamento Local por um casal de brasileiros, que o descobriu por acaso, à venda, num anúncio na Internet.


    Com uma decoração inspirada na vida e obra de Fernando Pessoa, procuraram adaptar o espaço à época em que o poeta lá viveu, enriquecendo assim a estadia de quem lá ficar alojado.

    Conheça a casa: http://ruadesaobento17.pt/

  • As eleições autárquicas estão à porta e o ZiBilocal foi investigar o que defendem os candidatos à Câmara de Lisboa sobre o Alojamento Local.


    Fernando Medina, o atual presidente e candidato pelo PS, quer alterar a lei para poder estabelecer quotas para Alojamento Local em zonas turísticas. Deverá ser a Câmara a autorizar a criação de alojamentos locais em determinadas zonas de Lisboa.

    Assunção Cristas, candidata pelo CDS, valoriza o que o Alojamento Local fez pelas áreas devolutas e desabitadas, dando uma nova vida à cidade. Fala também de quotas, mas na perspetiva de quotas mínimas para a habitação e não de quotas máximas para Alojamento Local.

    João Ferreira, candidato pela CDU, mostra-se preocupado com o Alojamento Local, que deve ser gerido e controlado, por contraste com o que considera ser uma liberalização completa deste mercado.

    O candidato do Bloco de Esquerda, Ricardo Robles, como o ZiBilocal já tinha noticiado, quer ver o Alojamento Local distinguido do turismo habitacional, sendo que este deve ser sujeito a quotas e licenças específicas.

    Teresa Leal Coelho, a candidata do PSD, mostra-se contra a proposta de lei de sujeitar o Alojamento Local à autorização nas assembleias de condóminos, mas considera importante que a atividade venha a ser regulada de forma a distinguir a que funciona como complemento de rendimento e a que já se transformou numa indústria.

  • (A partir de entrevista a Fernando Medina na TVI, Janeiro 2019 ). 

    ATÉ ONDE PODE LISBOA CRESCER EM TURISMO SEM PERDER IDENTIDADE ?

    Com o fenómeno do Turismo de massas, que levou à descoberta de Lisboa num processo de globalização galopante, muito se tem ouvido sobre a perda de identidade da cidade e sobre o afastamento de quem lá vive. No entanto, como afirma o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, "Lisboa não pode nem irá fechar a porta ao Turismo".


     

    O Turismo tem sido o grande motor económico do país e das grandes cidades, tendo sido fundamental para alavancar a saída de Portugal da crise económica e financeira, que se fez abater sobre o país nos últimos anos.

    Pegamos em frases da entrevista:

    "O Turismo representa em volume de vendas cerca de 10 mil milhões de euros", o equivalente a "quatro vezes a Autoeuropa e sete vezes a indústria do calçado nacional".

    Por isso, a questão é "a sustentabilidade que o Turismo traz e que é central para o futuro", seja de Lisboa seja de qualquer outra cidade. E Fernando Medina coloca como grande solução para responder a este desafio a coexistência equilibrada de três factores. Primeiro, "sustentabilidade económica", já que Lisboa "não pode dispensar" o Turismo. O segundo é a "sustentabilidade da qualidade de vida". E o último é a "sustentabilidade social", de forma a "assegurar que estes efeitos são compatíveis com os residentes".

    Para isso, a autarquia define uma política, que passa pelo investimento nas infra-estruturas, em novos pólos de atracção, nos transportes públicos e na higiene urbana. Reagir ao aumento do número de carros, ou de lixo, por exemplo. 

    Fernando Medina desfaz ainda a ideia que Lisboa tem perdido habitantes devido ao Turismo, afirmando que, nas últimas três décadas, em que a capital tem perdido residentes, foi precisamente na última em que esse número foi menor.

    Do total do parque imobiliário de Lisboa "Menos de 3% são Alojamentos Locais"!

    Para isso, explica que o que tem afastado os lisboetas da cidade é a "bolha imobiliária", que surgiu devido às baixas taxas de juros, e que tem afastado "a classe média do centro" de Lisboa. Para responder a essa necessidade, a autarquia já "pressionou o Governo" para actuar e dinamizar o mercado de arrendamento, assim como investiu na "oferta pública de casas para essa mesma classe média".

    Fernando Medina afirma que a Câmara Municipal de Lisboa olha nos olhos o desafio do Turismo e acredita ter tudo para o vencer, de forma sustentada e integrada. Realça que esse é "um desafio de todos", incluindo os próprios agentes turísticos.

     

    O link para a entrevista em TVI Player:  https://tviplayer.iol.pt/video/5c3cfe2e0cf2a84eaefbb6ac

     

    zibilocal 2