17-09-2019

Análise Alojamento Local

  • Não precisávamos escrever este artigo de opinião a partir de outro, mas na verdade veio a necessidade de o escrever a partir da leitura do artigo do ECO de 25 de Agosto. Que no global é um artigo esclarecedor e positivo. O que deixamos aqui é mais uma visão social e política na breve história do Alojamento Local a complementar os números. 


    Até 2014, quase tudo se fazia dentro da economia paralela. 

    Ninguém pagava impostos mas também ninguém se chateava e o estado/político não se preocupava. Em 2014 regulamentou-se, com o Regime Jurídico do Alojamento Local, de forma simples sem embandeirar em "simplexes". Os registos e legalizações dispararam, os empresários legalizaram, novos vieram porque FINALMENTE algo se começava a regular sem burocracias, ou seja, foi encontrada uma formula equilibrada entre a economia paralela e um controle do estado por via de uma legislação fácil de perceber pelo cidadão.

    2015..., foi um sucesso a lei de 2014.
    Com 40.000 novos registos por via da desburocratização. Mas em Portugal muita pessoas não gostam que o vizinho do lado tenha sucesso mesmo que pague os seus impostos, trabalhe 12 a 16 horas por dia incluindo fins de semana. Muitos não gostam dos que saem da fila da carneirada e entrem no grupo dos bem sucedidos pelos seus próprios meios.

    2016..., o assunto tornou-se sério.
    Uma vaga de 50.000 portugueses e estrangeiros colocam aqui o seu dinheiro e não em offshores.
    Deixam em Portugal os seus impostos e não em países bem mais amigos do contribuinte, como a Holanda por exemplo.

    2017..., estes 70.000 são agora avisados.
    O sucesso com trabalho é para acabar e o melhor é juntarem-se à carneirada dos subsídio dependentes, porque a famosa lei do do Alojamento Local de 2014 é para acabar. Enquanto isso, não se vê na comunicação social uma única notícia de fiscalização aos que se mantiveram ILEGAIS, mesmo sendo simples encontrá-los..., basta ir ao OLX !

    2018
    Fim do que melhor tinha a famosa lei 128 / 2014 e o que se lê na verdade não é regulação, é acabar com o sucesso destes investidores que têm o vírus do saber fazer muito com pouco, na verdade um vírus saudável, mas que provém de economias de mercado de sucesso que tanta comichão fazem a alguns socialistas. Aqueles que tão preocupados estão com as pessoas, que enquanto na mão direita “sentam as madonas” com a mão esquerda “puxam o tapete” a 70.000 investidores Portugueses. 

    Portanto toca a “blocar” !

     

    António Santos

    zibilocal 2